terça-feira, 1 de julho de 2014

Para quando as portas rangerem de dor

Sei que um dia tens de ir
pergunta antes se podes partir, depois de mim
sempre depois de mim
amputaria as duas mãos
para não te dizer adeus
sem mãos, acenaria a cabeça
dando-te uma mão cheia de nãos
ajoelhado, mão juntas
defuntas, pedindo a deus
que o que sobra do retalho
das memórias, das raízes e das gavetas
não se engavetem as que estão mortas
que se abram mesmo que ranjam
e que ranger seja apenas a dor das portas
abertas, ao fundo o estúpido espantalho
que no rir do enxovalho, devia era espantar
mesmo que a morte não tivesse asas
nem bico, nem cagasse do céu
devia espantar, não espantado
por estar morto, quando não há vento
essa pouca brisa do norte, que não trouxe
pouca terra pouca terra de sorte
quando te vi, partir sem mim
sei que um dia tens de ir
voltando ao princípio de ti e do poema
não te esqueças de perguntar antes
se podes ir,

se eu conseguir, 

vou contigo




E.M. Valmonte



Fotografia de E.M. Valmonte em "Na areia, não se enterram os filhos"

15 comentários:

  1. Adeus são as conco letras mais difíceis de escrever.
    Gostei do poema E.M.
    BFS. Beijinho. D

    http://acontarvindodoceu.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. M D

      muito obrigado.
      ainda bem que gostaste.
      despedir é difícil, e de um filho deve ser impossível.

      Eliminar
  2. Mas que beleza de palavras.

    ResponderEliminar
  3. (vim só aqui verificar se estava alguém à beirinha do penhasco... p'ra trás, p'ra trás, tudo a chegar pr'a trás! É que eu, como blogo-zeladora, tenho por missão evitar blogo-acidentes :DDDDDD)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. salvo por uma unha negra. Já estava a sentir o vento na cara.
      Foi uma operação de resgate vencedora e merecedora de louvor.
      Muito Obrigado.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. fico muito contente por teres gostado.
      obrigado

      Eliminar
  5. Eu também cá vim impedir um suicídio e acabei por ser alegremente surpreendida.
    (hei-de voltar com tempo...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. serás sempre bem vinda.
      aqui a tasca serve boas refeições e embora o patrão seja suicida, não importuna os clientes com ataques bombistas, sequestros e essas cenas macacas.

      Eliminar
  6. Anónimo7.7.14

    Só para dizer que passei por aqui e gostei das áreas. Acolhedor, com vistas desafogadas, bastanta luz natural, um bom investimento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. isto realmente é uma casa e pêras. e a vizinhança também é boa.

      Eliminar
  7. Olá Valmonte, vim aqui espreitar o blogue depois de ler o comentário na Palmier, que achei muito ... como dizer? muito como eu.
    Depois li este post, e depois reli-o, e adorei. É lindo. E tão duro.
    Vou voltar.
    Abraço,
    Susana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caríssima Susana

      Fico bastante contente que tenhas gostado.
      Muito Obrigado pelas tuas palavras.
      Volta, que serás sempre bem recebida. Prepararei uns canapés de eleição.

      Eliminar