segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Vender sonhos de graça

sem sonhar
não é possível vender sonhos
mesmo que sonhar
seja pouco mais que chutar
uma bola que vem desviada
vinda do nada

mesmo que sonhar
seja aquele pedaço a mais
que difere dos quase iguais
sem ter vergonha de chorar

vender sonhos de graça
faz da graça a própria vida
que embora sofrida
tem graça de ser vivida

não se sonha a própria morte
nem se vende o último sonho
mesmo de graça ao preço da sorte
um menino a acordar ainda risonho


na morte de um vendedor de sonhos


E.M. Valmont

2 comentários:

  1. E não será o próprio sonho uma realidade paralela? Recorrente e sem um fim ? Gostei. Xu <3 D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é uma espécie de imortalidade

      Eliminar