quinta-feira, 10 de abril de 2014

Se eles ainda me quiserem

É emigrante o que sentir saudade
                de casa e do pastel
                               de bacalhau e de vinho
                                               tinto na voz do fado
                                                               trinado que o enfada


É de casa que se vertem lágrimas
                hoje distam apenas os abraços
                               os beijos nos regaços
                                               as mães e os temperos
                                                               de solidão e desesperos

  
de dia esqueço
                de noite adormeço
                               de dia começo
                                               de noite pereço


um dia volto
como se voltar fosse esquecer
que perdi os dias
que eram apenas dias
que eram de viver

volto velho
contente pela venda
vendado pela contenda
de me ter vendido novo

volto se voltar
se eles ainda me quiserem


E.M. Valmonte

3 comentários:

  1. Este poema está espectacular...

    ResponderEliminar
  2. Caro E. M.

    Tenho um pequeno presente, que espero que aceite e lhe agrade .
    Peço que passe no meu blogue para ler mais sobre ele.
    Obrigada e um beijinho da MD

    http://acontarvindodoceu.blogspot.pt/2014/04/entao-assim.html

    ResponderEliminar